Produtores antecipam demanda por seguro agrícola para a próxima safra

Edição do dia 22 de Março de 2018

Fonte: MAPA
Foto: Divulgação
22/03/2018 – 15:00

Mesmo com avanço nas contratações no último ano, Brasil ainda fica atrás na contratação de apólices em comparação com outros países

A demanda por seguro agrícola vem crescendo a cada ano no Brasil. A área segurada passou de 5,65 milhões de hectares em 2016 para 8,64 milhões de hectares no ano passado, segundo dados do Relatório do Programa de Seguro Rural do Ministério da Agricultura.

 

Mesmo com a maior demanda pelo seguro, a área de lavouras protegidas ainda longe do ideal. Enquanto nos Estados Unidos mais de 90% da área rural está coberta pelo seguro rural, no Brasil este índice é de apenas 12%.

O diretor da Tovese Corretora de Seguros, Otavio Simch indica uma das melhores opções de contratação, o seguro por talhão, que apresenta melhor retorno do que o realizado por média da propriedade. O custo entre as duas modalidades é quase o mesmo, mas enquanto a primeira opção considera apenas a parcela da propriedade atingida, a segunda faz uma média geral da área contratada.

De acordo com Tovese, no modelo por talhão, em uma área de 100 hectares de soja dividida em quatro talhões iguais e com produtividade garantida de 39 sacas por hectare, travando o preço da soja em R$ 70,00, onde apenas uma parte foi atingida e teve produtividade de 16 sacas por hectare, portanto menor do que o contratado,a indenização seria de R$ 40,25 mil.

Já no modelo por média de produtividade, que é utilizado pelo Proagro e em alguns outros modelos de seguro, nas mesmas condições, é feita a média de toda a área. Se o produtor produziu média geral de 40 sacas por hectare, não terá indenização.

 

VEJA TAMBÉM